História dos vampiros - Autópsia de um mito

A criatura que se aproxima de suas vítimas na escuridão da noite para lhes roubar o sangue e a alma recebe neste livro um tratamento digno do fascínio que exerce ainda hoje sobre as pessoas, mesmo que sua imagem seja diferente daquela de épocas remotas que ainda não conheciam "as Luzes da Razão". Sua figura liga-se aos mistérios que povoam o imaginário humano - como seres que transitam entre este e o outro mundo -  e a anseios ancestrais, como a passagem da vida para a morte. 

A criatura das trevas de tez pálida e lábios encarnados fascinou os herdeiros do Século das Luzes. Na literatura, além de Bram Stoker e seu Drácula, grandes nomes como Alexandre Dumas, Byron, Baudelaire e Mérimée assinaram histórias com vampiros. Cerca de seiscentos e cinquenta filmes foram dedicados a ele desde o pioneiro The Vampire (1913). Dissertações sobre o tema existem desde 1679, e Voltaire, Marx e Geissendorfer usaram-no para criar uma associação negativa com monges, capitalistas e nazistas. Partindo dos tratados do século XVIII, Lecouteux retoma as narrativas originais e a etimologia da palavra "vampiro", buscando uma exatidão de abordagem que inexiste em grande parte das obras que tratam deste tema. Uma leitura indicada para quem quer conhecer os vampiros de forma mais aprofundada.

Sobre o livro:
LECOUTEUX, Claude. História dos vampiros: autópsia de um mito. São Paulo: Unesp, 2005.

Sobre o autor:
Claude Lecouteux é professor de Literatura e de Civilização Germânica da Idade Média na Universidade de Paris IV-Sorbonne. Tem vários livros publicados sobre mitos sobrenaturais, como fantasmas, lobisomens, feiticeiras, elfos, demônios e gênios.
(Este texto é parte da orelha do livro)

3 comentários:

  1. Tá legal o site ai May. Boa sorte... Rogério

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito do site e principalmente do seu empenho, virei com mais tempo para ler um pouco mais.

    beijos, cuide-se

    ResponderExcluir
  3. Esse filme é uma Obra-Prima! Em preto e branco dá uma realidade melancólica e clássica!

    ResponderExcluir