Der Vampir (1748) - O primeiro poema moderno sobre vampiros


Considerado o primeiro poema moderno sobre vampiros, Der Vampir foi escrito por Heinrich August Ossenfelder. Publicado em 1748, a história é narrada pelo vampiro que conta como invade o quarto de uma jovem cristã e a seduz, enquanto sua mãe a educa nos preceitos do cristianismo. Nele o vampiro é colocado como o antagonista da inocência e dos princípios religiosos cristãos. Além disto, é incluída a sensualidade que se torna inerente ao vampiro.


Minha cara criadinha se fia
Constante, segura e firme
Nos ensinamentos herdados
Da sempre piedosa mãe.
Como as gentes do Theyse
Que em vampiros mortais
Crêem firmes com heiduques (antigos nobres húngaros).
Aguarda então Cristianinha,
Pois que amar-me não desejas;
Anseio de ti vingar-me,
E hei hoje de um tócai (vinho húngaro)
Beber à saúde de um vampiro.
E quando tranqüila dormires
De tuas formosas faces
Sorver o fresco purpúreo.
E enquanto te amedrontares
Conforme eu te for beijando
Tal qual um vampiro beija;
E quando enfim tu tremeres
E enfraquecida em meus braços
Caíres qual foras morta;
Então te perguntarei:
Não são minhas lições melhores 
Que as de tua boa mãe?* 

Muitos outros poemas foram escritos sobre vampiros após este, um dos mais famosos, que postarei em breve, é a Noiva de Corinto, escrito por Goethe, o autor de Fausto, em 1797.

*No livro de Melton consta o original em alemão e a tradução para o português, decidimos por transcrever a tradução para facilitar a compreensão e ilustrar nossa descrição do poema.
 

Referências:
MELTON, G. J. O livro dos vampiros – A enciclopédia dos mortos vivos. São Paulo: M. Books do Brasil, 2003.

Um comentário:

  1. Muito bom esses post sobe vampiros! A Doutrina Espirita fala muito sobre Vampiros Espirituais! Você já estudou sobre isso?

    ResponderExcluir